02/10/2011

Anos 60



Na América do Norte e na Europa, a década foi particularmente revolucionária em termos de música popular , na medida em que viu a evolução do rock . No início da década de 1960, as tendências pop e rock and roll dos anos 1950 continuaram; no entanto, o rock and roll da década anterior começou a se fundir em uma variante mais internacional e eclética conhecida como rock. No início dos anos 1960, o rock and roll em sua forma mais pura foi gradualmente superado pelo pop rock , beat , rock psicodélico , blues rock e folk rock , que haviam crescido em popularidade. O estilo country - e folk - influenciado associado à segunda metade da música rock dos anos 1960 gerou uma geração de populares cantores que escreveram e executaram seu próprio trabalho. No final da década, géneros como o barroco pop , sunshine pop , bubblegum pop , e rock progressivo começaram a se popularizar, com os dois últimos encontrando maior sucesso na década seguinte. Além disso, os anos 60 viram o funk e a soul music ganhando popularidade; O ritmo e o blues em geral permaneceram populares, e esse estilo era comumente associado aos grupos Boy da época, cuja fusão de R & B e Gospel com o rock and roll teve sucesso até meados da década. Além da popularidade do rock e da música R & B nos anos 60, a música latino-americana , jamaicana e cubana alcançou um grau de popularidade ao longo da década, com géneros como Bossa nova , o cha-cha-cha , ska , e calipso sendo popular. Do ponto de vista clássico , a década de 1960 também foi uma década importante, pois viram o desenvolvimento da música clássica electrónica , experimental , jazz e contemporânea , notavelmente o minimalismo e a improvisação livre .

Ver mais - AQUI





A História da Música




 História da música- é o estudo das origens e evolução da música ao longo da história. Como disciplina histórica insere-se na história da arte e no estudo da evolução cultural dos povos. Como disciplina musical, normalmente é uma divisão da musicologia e da teoria musical. Seu estudo, como qualquer área da história, é trabalho dos historiadores, porém também é frequentemente realizado pelos musicólogos.

Origem da música
Se considerarmos o termo em sua maior abrangência, a história da música envolve pelo menos:

- As origens culturais da música em cada grupo humano estudado.
- As influências culturais e sociais que a música exerce e sofre ao longo de seu desenvolvimento.
- A origem e evolução de seus sistemas musicais característicos (que envolvem suas estruturas rítmicas, melódicas e harmónicas).
- O desenvolvimento das formas musicais e dos géneros e estilos.
- A história dos instrumentos musicais e técnicas associadas à sua execução.
- A influência mútua entre a música e os demais movimentos culturais.
- A origem e evolução dos sistemas teóricos utilizados para estudá-la, incluindo sistemas de notação e análise musical.
- As principais personalidades envolvidas na sua evolução. Os compositores e músicos que marcaram cada período ou género específico ou que impulsionaram o desenvolvimento de novas formas, estilos e géneros.
- A cronologia de todos estes temas.
A metodologia utilizada no estudo da história da música podem incluir a análise de manuscritos e iconografia, o estudo de textos críticos ou literários, a associação entre música e linguagem e a relação entre a música e a sociedade. A análise de artefactos arqueológicos e a documentação etnográfica também são instrumentos úteis a este

ANOS 80 - Era electrónica



Os anos 80 são conhecidos como a década da música electrónica. Nesta época, o New Wave e o Synthpop se tornam os géneros musicais mais vendáveis e populares, assim como toda a estrutura da Dance Music. Surge a MTV e o hip hop; advento da música electrónica nas pistas de dança e as primeiras raves. No underground é criado o rótulo "música industrial" para bandas eletrônicas mais experimentais e obscuras, além de diversas bandas de rock de garagem que dariam origem ao grunge na década de 1990. 
Foi nos anos 80 que surgiu a vertente da música que mais originou variantes, a House music. Inspirada em experimentações sobre batidos dos anos 70, principalmente a disco music, teve como principais representante: Bomb the Bass, S'express, gino latino, Coldcut, entre outros. Em 83 surgiu no underground a sub-cultura gótica (Ver artigo: Gótico (estilo de vida)) na Inglaterra, denominada incialmente como "Dark" no Brasil sendo esta derivada do gênero Pós-punk.



Dentre os artistas internacionais mais carismáticos, destacam-se Michael Jackson, com o álbum Thriller, o mais vendido da história, e que também inventou o videoclipe moderno; a contraparte feminina, Cher, Madonna e Cyndi Lauper, um dos principais ícones fashion de todos os tempos; Tina Turner voltou ao mundo da música lançando um novo álbum, Private Dancer, mega sucesso, além de apresentações eletrizantes ao redor do mundo. Outros cantores que se destacam nessa década são Kylie Minogue, Janet Jackson, George Michael, Boy George, Lionel Richie, David Bowie, Whitney Houston, Paula Abdul, Prince, Billy Idol, Bruce Springsteen, Laura Branigan, Roxette entre outros.


Hard rock também recebe novas influências, com batidas mais fortes e sons de guitarras mais pesados, o que trouxe ao público um dos gêneros musicais mais populares da década: o heavy metal, que, na sequência, também gerou inúmeras vertentes ainda mais rápidas e pesadas, como o trash metal, speed metal e o black metal. Alguns exemplos que se consagram na década neste gênero do rock foram as bandas Iron Maiden, Helloween e Manowar, na versão clássica do heavy metal; e os grupos Metallica, Slayer, Megadeth e Anthrax, no trash metal. Conservando as raízes do hard rock, também merecem destaque os longos períodos de sucesso que tiveram as bandas Bon Jovi, Van Halen, AC/DC, Whitesnake e Scorpions no decorrer dos anos 80.



Outras inúmeras bandas de rock e pop surgiram nos anos 80: Guns N' Roses, Def Leppard, Dire Straits, A-ha, Supertramp, U2, The Smiths, Duran Duran. Algumas, surgidas em meados dos anos 70, só se consolidaram na década de 80; no Brasil, RPM, Ultraje a Rigor, Titãs, Legião Urbana, 14 bis, Barão Vermelho, Kid Abelha, Ira! entre outras.

Dados da Wikipédia






Jazz



Origens

Por volta de 1808 o tráfico de escravos no Atlântico trouxe aproximadamente meio milhão de africanos aos Estados Unidos, em grande quantidade para os estados do sul. Grande parte dos escravos vieram do oeste da África e trouxeram fortes tradições da música tribal. Em 1774 um visitante os descreveu, dançando ao som do banjo de 4 cordas e cantando "a música maluca", satirizando a maneira com que eram tratados. Uma década mais tarde Thomas Jefferson similarmente notou "o banjar, que foi trazido da distante África". Foi feita de cabaça, como a bânia senegalesa ou como a akonting do Oeste da África. Festas de abundância com danças africanas, ao som de tambores, eram organizadas aos domingos em Place Congo Nova Orleães, até 1843, sendo como uma festa similar em Nova Orleães e Nova Iorque.

Escravos da mesma tribo eram separados para evitar formações de revolta. E, pela mesma razão, nos estados da Geórgia e Mississippi não era permitido aos escravos a utilização de tambores ou instrumentos de sopro que fossem muito sonoros, pois poderiam ser usados no envio de mensagens codificadas. Entretanto, muitos fizeram seus próprios instrumentos com materiais disponíveis, e a maioria dos chefes das plantações incentivaram o canto para que fosse mantida a confiança do grupo. A música africana foi altamente funcional, tanto para o trabalho quanto para os ritos.

As work songs e field hollers incorporaram um estilo que poderia ser ainda encontrado em penitenciárias dos anos 1960, e em um caso eram parecidas com uma canção nativa ainda utilizada em Senegal. No porto de Nova Orleães, estivadores negros ficaram famosos pelas suas canções de trabalho. Essas canções mostravam complexidade rítmica com características de polirrítmica do jazz. Na tradição africana eles tinham uma linha melódica e com o padrão pergunta e resposta, contudo, sem o conceito de harmonia do Ocidente. O ritmo reflectido no padrão africano da fala e o sistema tonal africano levaram às blue notes do jazz.
 

O jazz 
é uma manifestação artístico-musical originária dos Estados Unidos. Tal manifestação teria surgido por volta do início do século XX na região de Nova Orleães e em suas proximidades, tendo na cultura popular e na criatividade das comunidades negras que ali viviam um de seus espaços de desenvolvimento mais importantes.

O Jazz desenvolveu-se com a mistura de várias tradições musicais, em particular a afro-americana. Esta nova forma de se fazer música incorporava blue notes, chamada e resposta, forma sincopada, polirritmia, improvisação e notas com swing do ragtime. Os instrumentos musicais básicos para o Jazz são aqueles usados em bandas marciais e bandas de dança: metais, palhetas e baterias. No entanto, o Jazz, em suas várias formas, aceita praticamente todo tipo de instrumento.

As origens da palavra Jazz são incertas. A palavra tem suas raízes na gíria norte-americana e várias derivações têm sugerido tal facto. O Jazz não foi aplicado como música até por volta de 1915. Earl Hines, nascido em 1903 e mais tarde se tornou celebrado músico de jazz, costumava dizer que estava "tocando o piano antes mesmo da palavra "jazz" ser inventada".

Desde o começo do seu desenvolvimento, no início do século XX, o Jazz produziu uma grande variedade de subgêneros, como o Dixieland da década de 1910, o Swing das Big bands das décadas 1930 e 1940, o Bebop de meados da década de 1940, o Jazz latino das décadas de 1950 e 1960, e o Fusion das décadas de 1970 e 1980. Devido à sua divulgação mundial, o Jazz se adaptou a muitos estilos musicais locais, obtendo assim uma grande variedade melódica, harmónica e rítmica.


Ver mais - AQUI e  AQUI

John Coltrane - Equinox (Original)
Charlie Parker - Summertime (Jazz Instrumental)
Art Blakey & the Jazz Messengers - Moanin'
Manhattan Jazz Quartett - Vocal Jazz Classics